Contato

Fones p/ contato: Claro 83 9196 6079
Tim 83 9828 8984

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Taxista arranca com o carro para não dar troco e fere turista colombiana


Catalina teve arranhões no peito, escoriações na mão, no rosto e na perna.

 A turista colombiana Catalina Roncances, de 28 anos, que pegou um táxi na tarde dessa  quarta-feira (19) no Aeroporto Santos Dumont junto com os pais e a irmã, em direção ao hotel em que ficaria hospedada na Glória, foi ferida por um taxista. A família embarcou no veículo na porta do aeroporto e discutiu com o motorista porque queria que a corrida fosse feita pelo taxímetro e não pela tabela. O taxista, depois de muita insistência, concordou, mas na hora em que a família desembarcava diante do hotel, se recusou a dar o troco de R$ 4. Quando Catalina reclamou e pediu seu dinheiro, o motorista arrancou com o táxi. A turista estava saltando e foi arrastada por alguns metros.
Catalina teve arranhões no peito, escoriações na mão, no rosto e na perna. O pai da jovem, Luiz Roncances, contou que correu atrás do taxista e fugiu. A irmã de Catalina conseguiu anotar a placa do veículo que será repassada a polícia. A família visita o Rio pela primeira vez e diz que agora nunca mais voltará. Neste momento, todos estão registrando queixa na Delegacia Especial de Atendimento ao Turista (Deat), no Leblon.
A maioria dos usuários de táxi não sabe que tem o direito de escolher pagar pelo taxímetro quando embarca no Santos Dumont — o uso da tabela é opcional. Há também a opção de embarcar nos táxis que, mesmo não sendo da cooperativa que atua no aeroporto, estão autorizados a pegar passageiros no desembarque. A medida está valendo desde a realização da Rio+20, em junho deste ano. Esses taxistas, no entanto, não podem circular na pista exclusiva junto ao terminal.

Na última quinta-feira, a prefeitura publicou no Diário Oficial do município a nova tabela de valores pré-fixados para corridas de táxis cadastrados que atuam no Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio. A maioria dos trajetos sofreu redução nos preços. O mais significativo foi o da corrida do aeroporto até Santa Teresa, que custava R$ 50 e passou para R$ 15. Dos 164 itinerários partindo do aeroporto, 84 sofreram uma redução na tabela superior a R$ 5. Nove trajetos aumentaram mais de R$ 5. O restante teve redução inferior a R$ 5 ou não sofreu alterações. As tabelas usadas na Rodoviária Novo Rio e no Aeroporto Internacional Tom Jobim também serão revisadas em breve, segundo a Secretaria municipal de Transportes.
A medida foi uma decisão do secretário Carlos Roberto Osório, que havia assumido o compromisso de rever a tabela de preços dos táxis convencionais (os “amarelinhos”) que fazem ponto no Santos Dumont um dia depois de assumir o cargo, em 31 de outubro. Osório disse, na época, que a Coordenadoria Geral de Concessões faria um estudo para verificar se houve algum tipo de distorção nos preços estipulados na lista. A decisão foi tomada depois que O GLOBO mostrou, em reportagem publicada no dia 30 daquele mês, que corridas cobradas pelas tarifas prefixadas podem sair até 45% mais caras para os passageiros que chegam pelo Aeroporto Santos Dumont.
A reportagem revelou que para Copacabana, por exemplo, a tabela estabelecia preço de R$ 29,50. Já pelo taxímetro, a mesma corria saía por R$ 20 em média (até o início do bairro). Segundo a Secretaria municipal de Transportes, que fixou os valores, o cálculo levou em conta a parte central de cada bairro. Assim, quem pega um táxi para a Avenida Princesa Isabel ou para o Posto 6 paga o mesmo valor. No caso de Copacabana, a rua usada como referência foi a Santa Clara. Além do Santos Dumont, há tabelas para táxis no Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Rodoviária Novo Rio, no Píer Mauá e nos principais hotéis da orla.
No Santos Dumont, a tabela começou a valer em março deste ano, após a publicação de uma resolução da secretaria. Segundo o órgão, a tabela foi criada para turistas e outras pessoas que não conhecem a cidade. Serve para inibir a ação de motoristas de táxi desonestos que, por exemplo, procuravam caminhos mais longos para chegar ao destino do passageiro — como ir do Santos Dumont para Copacabana via Tijuca.
Fonte: http://www.wscom.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário